28 Artigos

Projeto 28 Artigos da breve exposição das doutrinas fundamentais do cristianismo.


Artigo 13 parte 2 – A pessoa de Cristo

Artigo 13: Foi adquirida, porém, pelo Filho, não com ouro nem com prata, mas com Seu sangue, pois tomou para Si um corpo humano e uma alma humana, preparados pelo Espírito Santo no ventre de uma virgem; assim, sendo Deus, e continuando a sê-lO, Se fez homem. Nasceu da virgem Maria, viveu entre os homens, como se conta nos evangelhos; cumpriu todos os preceitos divinos e sofreu a morte e a maldição como substituto dos pecadores; ressuscitou e subiu ao céu, onde intercede pelos seus remidos e para valer-lhes tem todo o poder no céu e na terra. É nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que oferece, de graça, a todo pecador, o pleno proveito de Sua obediência e sofrimentos, e o assegura a todos os que, crendo nEle, O aceitam por Seu Salvador.


Artigos 12 e 13 parte 1 – A obra de Cristo na salvação

Artigo 12: Esta salvação, tão preciosa e digna do Altíssimo (porque está inteiramente em harmonia com o seu caráter), procede do infinito amor do Pai, que deu seu unigênito Filho para salvar seus inimigos.

Artigo 13: Foi adquirida, porém, pelo Filho, não com ouro nem com prata, mas com Seu sangue, pois tomou para Si um corpo humano e uma alma humana, preparados pelo Espírito Santo no ventre de uma virgem; assim, sendo Deus, e continuando a sê-lO, Se fez homem. Nasceu da virgem Maria, viveu entre os homens, como se conta nos evangelhos; cumpriu todos os preceitos divinos e sofreu a morte e a maldição como substituto dos pecadores; ressuscitou e subiu ao céu, onde intercede pelos seus remidos e para valer-lhes tem todo o poder no céu e na terra. É nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que oferece, de graça, a todo pecador, o pleno proveito de Sua obediência e sofrimentos, e o assegura a todos os que, crendo nEle, O aceitam por Seu Salvador.


Artigo 11 – A perversidade do homem e o amor de Deus

Artigo 11: Deus, vendo a perversidade, a ingratidão e o desprezo com que os homens Lhe retribuíam Seus benefícios e o castigo que merecem, cheio de misericórdia compadeceu-Se deles; jurou que não deseja a morte dos ímpios; além disso, amou-os e mandou declarar-lhes, em palavras humanas, Sua imensa bondade para com eles. E quando os pecadores nem com tais palavras se importavam, Ele lhes deu a maior prova do Seu amor enviando-lhes um Salvador que os livrasse completamente da ruína e da miséria, da corrupção e da condenação, e os restabelecesse para sempre no Seu favor.


Artigo 10 – O juízo da consciência humana

Artigo 10: Deus constituiu a consciência juiz da alma do homem. Deu-lhe mandamentos pelos quais se decidissem todos os casos, mas reservou para si o julgamento final, que será em harmonia com seu próprio caráter. Avisou os homens da pena com que punirá toda injustiça, maldade, falsidade e desobediência ao Seu governo; cumprirá Suas ameaças, punindo todo pecado em exata proporção à culpa.


Artigo 9 – A imortalidade da alma

Artigo 9: A alma humana não acaba quando o corpo morre. Destinada por seu Criador a uma existência perpétua, continua capaz de pensar, desejar, lembrar-se do passado e gozar da mais perfeita paz e regozijo; e também de temer o futuro, sentir remorso e horror e sofrer agonias tais que mais quereria acabar do que continuar a existir; o pecador, pela rebelião contra o seu Criador merece para sempre esta miséria, que é chamada por Deus a segunda morte.


Artigo 7 – A queda do homem

Artigo 7: O homem assim dotado e amado pelo Criador era perfeitamente feliz; mas tentado por um espírito rebelde (chamado por Deus de satanás), desobedeceu ao seu Criador; destruiu a harmonia em que estivera com Deus; perdeu a semelhança divina; tornou-se corrupto e miserável; deste modo vieram sobre ele a ruína e a morte.


Artigo 6 – A Criação do homem

Artigo 6: Deus, tendo preparado este mundo para a habitação do gênero humano, criou o homem, constituindo-o de uma alma que é espírito e de um corpo composto de matérias terrestres. O primeiro homem foi feito à semelhança de Deus, puro, inteligente e nobre, com memória, afeição e vontade livre, sujeito àquele que o criou, mas com domínio sobre todas as criaturas deste mundo.


Artigo 5 – A trindade divina

Artigo 5: Embora seja um grande mistério que existam diversas pessoas em um só Ente, é verdade que na Divindade há uma distinção de Pessoas, indicadas nas Escrituras pelos nomes Pai, Filho e Espírito Santo e pelo uso dos pronomes Eu, Tu e Ele, empregados por Elas mutuamente entre si.


Artigo 2 – O que a Bíblia ensina a respeito de Deus

Artigo 2: Ao testemunho de suas obras Deus acrescentou informações a respeito de si mesmo e do que requer dos homens. Essas informações se acham nas Escrituras do Velho e do Novo Testamento (os livros apócrifos não são parte da Escritura divinamente inspirada), nas quais possuímos a única regra perfeita para nossa crença sobre o Criador e preceitos infalíveis para o nosso proceder nesta vida.